segunda-feira, 6 de setembro de 2010

A BAUNILHA DO BOSQUE

O bosque rescendia em flor

E a baunilha expelia o seu frescor

Hálito perfumado oloroso

Da essência da flora

Onde elabora

O explendoroso

Dossel da mata

Que exala e desata

De Iracema, a Tabajara

Fruta rara

Dos campos do Ipu

Onde a jandaia e a nambu

Faziam evoluções ao seu redor

Festejando em ritmo maior

Aquela deusa da cascata

No banho natural de pingos de prata

Que a baunilha acompanhava

E espalhava

O perfume que salpicava

Inebriando

Penetrando

No corpo da morena tapuia

Que se estendia seminua

À beira do riacho

Que de alto a baixo

Derramava

E lavava

A essência da baunilha

Que deslizava na filha

Do cacique Araken

Do chefe parente do Kubenkankren

Que da baunilha, jati e bonina

A selvagem menina

Consigo levava

O perfume, o favo e o resplendor

Que do português bandeirante

Foi num instante

O seu grande amor!

(Dra. Maria Cleide de Melo Lima Damasceno – 18-08-2009)

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

PEITICA DE BRIGÕES

Em briga de valentões,

Não se tem um vencedor.

Um quer ganhar no grito,

O outro, no destemor.

Mas o embate é perdido,

Sem vencedor ou vencido,

Perdedor ou Ganhador!



Proseando d'outra forma,

Não perdura a confusão,

Quando não há um consenso,

Encerra-se a discussão.

Pra que ficar na peitica,

Com insulto e futrica,

Se nenhum tem a razão?

Ricardo Aragão

Ipu(CE),Set/2010

Link da Imagem: Asterix & Obelix

http://www.quirao.com/en/p/figurines/comic-strip-characters-/

18215/asterix-obelix-zizanie-13-resine-leblon-delienne.htm

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...